sábado, 9 de abril de 2011


À todos aqueles que amam missões, a todos os sedentos por mais de Deus, aqueles que correm sem se cansarem, aos profetas, evangelistas, mestres, pregadores que buscam verdadeiramente a glória do avivamento. Corramos juntos, semeando a palavra, ouvindo o barulho das chuvas que molhará a terra e esperando Água Viva para o Sertão!

Corramos e prossigamos em conhecer ao Senhor!! A final uma atitude vale mais que mil palavras!!


                                                      Venha e participe Conosco!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Sobre as tábuas do nosso coração

“Ata-as sobre teu pescoço; escreve-as sobre as tábuas do teu coração” (Prov. 3:3b)


 Quando a Bíblia diz que toda escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra, a escritura está traduzindo por si mesma alguma das verdades mais importantes que precisamos conhecer, ou melhor, mais que conhecer, realmente vive-la, literalmente respirar, inspirar, tê-la como fôlego, como o ar que adentra os nossos pulmões, senti-la como o fogo que arde dentro de nós.
  O profeta Jeremias em uma de suas crises declarou que não pronunciaria mais a Palavra do Senhor, e nem lembraria mais do seu nome (Jr 20:9). E o que aconteceu? Jeremias simplesmente não conseguiu deixar de falar de Deus, e isso aconteceu por quê? Porque Deus soprou sobre ele a sua palavra e ele a tinha inspirada tão profundamente, que já não mais saia do seu interior, pelo contrario ela ardia dentro dele, a palavra consumia os seus ossos, queimava o seu interior. Jeremias declara que a palavra tinha alcançado o seu coração, ela estava escrita sobre as tábuas do seu coração- quando o senhor respira a sua palavra (soprar) nós precisamos inspirá-la, trazê-la ao nosso intimo.
    Se nós assimilamos isso, compreendemos que a Palavra (Bíblia) é diretamente respirada do próprio Deus, é como luz que reflete nos lugares mais profundos do nosso ser. 2 Pedro 1:19 dizQue a palavra dos profetas à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia esclareça e a estrela da alva apareça em vosso coração”. 
    A palavra traz luz, claridade a nossa alma a ponto de transbordar dentro de nós, por isso somos vasos de honra, honra esta que vem pela palavra. Se olharmos no contexto da criação os verbos presentes e utilizados por Deus, veremos que a palavra inspirada (lit. tendo assimilado Deus) adentrou o íntimo do Homem criado por Deus, pois a Bíblia diz que o homem se tornou alma vivente. E isso descreve o processo atual dessa inspiração (assimilação da vida). Dentro do coração de adão estava o fôlego de vida, estava, também, a inspiração, ou seja, a vida do próprio Deus. É nisto, na palavra que, no que estava no íntimo que se fez do homem a sua imagem e semelhança. Jó 33:4 diz que “o espírito de Deus me fez, e a inspiração do todo poderoso me deu a vida”.
   A Bíblia não é resultado da consciência humana, da sabedoria do homem “iluminado”, mas é diretamente respirada do próprio Deus. Quando Moisés sobe ao Sinai e se aproxima de Deus, o Senhor escreve os mandamentos com suas próprias mãos em uma tábua, sendo estas feitas de pedras. Naquele instante Moises desce do Sinai a falar ao povo, e o povo o decepciona, e então Moisés quebra aquelas tábuas. O que precisamos entender daquele momento? Um momento de fúria ou um ato profético? Podemos dizer que sob a interpretação humana um momento de fúria, mais por outro lado um ato profético. 
   Alguns anos depois num outro ponto da história o profeta traduz aquele instante dizendo “retirai o vosso coração de pedra e colocai sobre o vosso peito um coração de carne” o coração do povo de Israel era como pedras. Então Moisés escreve  agora com suas mãos os mandamentos, as palavras que estavam guardadas no seu coração. O salmo 119:11 diz “guardei a tua palavra no meu coração para não pecar contra ti”. Moisés no instante que escrevia aquelas linhas, ele as respirava, fluía de dentro dele os mandamentos que o Senhor soprara sobre o seu íntimo. A palavra ardia dentro do seu ser.
   Se voltarmos o nosso olhar ao êxodo, e mais especificamente ao episódio da descrição dos mandamentos, o que veremos? Enxergaremos que as pedras estavam escritas pelas próprias mãos de Deus, assim como o homem criado, tábuas do testemunho, e a palavra diz que elas eram obra de Deus, e a escrita de Deus estava sobre as tábuas (ex 32:16), semelhantemente ao homem, que tornou-se alma vivente. E assim como aquelas tábuas foram quebradas ao pé do monte, assim, também, as nossas estruturas petrificadas devem ser quebradas e transformadas e lapidadas.
  No livro de Deuteronômio 10;1 O Senhor diz a Moisés “alisa duas tábuas de pedras semelhantes as primeiras e sobe a mim a este monte, e faze uma arca de madeira.  A semelhança que precisamos ter, as descrições de Deus sobre as tábuas de nosso coração, mais um coração adornado, limpo e restaurado pelas mãos de Deus.
  Quando então enxergamos o capítulo 3 de provérbios, realmente o nosso coração pulsa e a nossa alma arde pela certeza do que Deus verdadeiramente fez e continuará fazendo por nós. “filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus mandamentos”. O adorno do pai, sobre o coração do filho, a correção, a repreensão e a instrução do pai para que o filho seja instruído para toda boa obra, para a vida, uma vida de paz, princípio do reino. E nos deslumbramos, assim, na parte mais linda que diz “Ata-as ao teu pescoço, e escreve-as sobre as tábuas do teu coração, misericórdia e fidelidade” .