quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Dia de Angústia: Dia de Clamar a Deus


Salmo 107:19-20
  "então clamaram ao senhor na sua angústia, e ele os livrou das suas necessidades. Enviou a sua palavra e os sarou, e os livrou da sua destruição."

  Angústia palavra que atemoriza o coração do homem, que traz desespero insegurança, medo e em muitos casos torna-se a porta para a depressão. O dicionário português define esta sensação como ansiedade física acompanhada de opressão dolorosa. Outra definição que encontramos para angústia é uma sensação psicológica que tem em suas características; insegurança, dor emocional, falta de humor, que pode ser gerada, ou não por um acontecimento que está por vir, sensação de nostalgia que produz feridas na alma.
   Quando entendemos a palavra do salmo 107 percebemos que o Senhor fala para aqueles que estão em cativeiro, desamparadas e aflitas. O cenário talvez encontrado em muitas famílias, presente nas igrejas, nos ministérios, células. O casamento que se acabou, o filho que está nas drogas, a falência do ministério, as contas e dividas que já não podem ser pagas, situações que desencadeiam angústias, instantes que devoram a paz que outrora sentimos. Jesus, em um dos momentos mais marcante do seu ministério enfrentou esta difícil situação, Lc 22.44 diz: “E, posto em agonia, orava mais intensamente. E seu suor tornou-se como gotas de sangue que corriam para o chão.”
   Mateus 26.38b diz “a minha alma está angustiada até a morte”. A angústia em muitos instantes de nossas vidas torna-se como um cálice repleto de um vinho amargo. O que necessitamos nestes instantes é do conforto, do consolo do Espírito Santo. A ação de Deus é tão mais intensa do que qualquer sentimento humano. O salmo 107 nos ensina em seus versos atitudes assertivas que nos levará ao sentimento de libertação:

A transparência da oração-“então clamaram ao Senhor”(Vs.19a). Nossas  orações, petições jamais podem se tornar vazias, sem um propósito específico, não podemos viver sempre no dilema pedir por pedir. A Bíblia diz que não recebemos porque pedimos mal. A oração precisa ser clara, ter um propósito, um alvo a ser definido. O alvo do salmista era a sua libertação, no entanto ele começa exaltando a bondade e a misericórdia de Deus. Ações que não merecemos mais ELE mesmo assim nos concede.
A apropriação da palavra- “enviou a sua palavra e os sarou”(Vs.20). tomar posse das promessas de Deus fazendo delas realidade viva sobre nossas vidas, talvez seja a maior dificuldade do Israel de Deus. Às vezes olhar e perceber que o caminho das promessas está na contramão da vereda que seguimos, e que para chegar até lá no alvo que definimos precisamos romper, causa um sentimento de dor, de angústia, mas em tudo sabemos que é assim que alcançaremos. Salmo 119;35 diz “faze-me andar na vereda dos teus mandamentos porque nela tenho prazer” Andar no caminho dos mandamentos é saber que precisamos morrer a cada passo que damos para alcançar a vida que nos foi prometida.
O posicionamento e a visão- E ELE assim os levam ao porto desejado”(Vs 30b). A alegria do povo era tamanha por causa da libertação que eles foram conduzidos a um alto refúgio, o lugar onde nenhum mal poderia os alcançar, a idéia de Cristo quando falava da casa sobre a rocha. Precisamos deixar o Senhor nos conduzir, é ELE que nos trata que cuida de nós, e nunca o contrário. O verso 42 diz: “ os retos vêem isto e se alegram, mas todos os ímpios fecham a boca. A visão do homem que atravessa crises e passa por elas na força do Senhor, evidência o testemunho de excelência e de vitórias, os olhos que se fixam sempre no alvo e não no caminho fazem a total diferença dentro das veredas de conquistas.

Eugênio Serlam

Um comentário: