sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

No esconderijo de Deus


  

Antes, deu ordem o rei jerameel, filho de Hamaleque, e a seraías, filho de azriel, e a selemias, filho de Abdiel, que prendessem Baruque, o escrivão, e a Jeremias, o profeta. Mas o Senhor tinha-os escondido”. Jr 36.26

  Esconderijo segundo o dicionário da língua portuguesa é o lugar onde alguém ou algo se esconde. Uma espécie de abrigo, um refúgio. Buscar um esconderijo é buscar um lugar seguro, um ponto de apoio às necessidades e provações que surgem ao longo da caminhada cristã. Todos nós, um dia já tivemos, ja passamos, ou nos refugiamos num esconderijo, mais tal como o que será apresentado neste esboço, acredito que ainda não. Então respire fundo, e mergulhe nas águas da renovação.   
   Quando observamos o texto descrito em Jeremias 36.26 percebemos uma perseguição intensa sobre a vida de Baruq o escrivão e Jeremias o profeta, havia um mandato de prisão conta a vida daqueles homens de Deus. Um grande levante estava sendo levantado contra O profeta e o seu discípulo.
   Era intenso o clímax gerado nesta situação. Alguns dos profetas e sacerdotes aconselharam os dois homens a fugirem, e a fuga estava se tornando necessária.  Em Jr 6.1 diz “fugi para a salvação vossa filhos de benjamim”. A palavra de Deus nos aconselha algumas fugas altamente necessárias para a edificação do homem de Deus.
   I Coríntios 6.8 nos aconselha a fugir da prostituição, Em Coríntios 10.14 diz “portanto fugi da idolatria” duas situações extremamente necessárias para a construção do caráter do ministro do Senhor. I Timóteo 6.11 diz “mas tu, ó homem de Deus foge destas coisas e segue a piedade, a fé, a caridade, a paciência e a mansidão”.
   Em algumas situações a fuga é a melhor estratégia. José fugiu da mulher de faraó, quando esta o queria, Mateus 2.13 relata que o anjo do senhor aconselhou a José e Maria a fugirem com o menino para o Egito. A Bíblia descreve em êxodo 2.15 que Moisés fugiu da presença de faraó. “A fuga não é sinônimo de covardia, mais sim de discernimento”.
   No texto de Jeremias há um detalhe profundo que precisamos perceber, a palavra diz “o Senhor havia os escondidos”. A grande diferença na hora da fuga é sabermos a direção pra onde devemos ir. Em Reis a Bíblia diz que o profeta Elias fugiu para o deserto, e isso foi à causa de sua fragilidade ministerial. Não é pelos problemas ou pelas circunstâncias que devemos fugir, mas, sim, para onde o Senhor quer nos levar.
   Salmo 11.1 diz “No senhor confio; como dizeis, pois, à minha alma: foge para a tua montanha como pássaro”. Diante do grande problema Deus estava dizendo ao salmista foge para a tua montanha, para o lugar da intimidade. No momento da tribulação precisamos ir ao lugar da intimidade, o esconderijo de Deus, é para lá que o Senhor quer nos levar. Baruq e Jeremias fugiram não por medo de encarar o problema, mas sim, para buscar a solução no esconderijo de Deus.
   No esconderijo do altíssimo encontramos intimidade, descanso, força e confiança. A palavra diz no salmo 91.1 “Aquele que descansa no esconderijo do altíssimo, descansará à sobra do onipotente”. Jeremias e Baruq precisavam ir ao esconderijo do Senhor para poderem enfrentar com mais força o que viria pela frente! A presença de Deus não é qualquer esconderijo, a presença de Deus é o esconderijo preferido do profeta, Seja na caverna, no ventre do peixe, no cume do monte, no deserto, ou na tenda. Entre no esconderijo de Deus.

Pr. Eugênio Serlam

Um comentário:

  1. Deus possa a cada dia continuar te fazendo crescer e auxiliar no desenvolvimento do corpo de Cristo.Abração proff.

    ResponderExcluir